Portfólio Reflexivo Online e Offline

Avaliação Participativa On line e Off line

Portfólio Reflexivo Online e Offline

Clarice Monteiro Escott

Este trabalho constitui-se em relato e análise dos resultados preliminares da pesquisa denominada "Portfólio Reflexivo Online e Offline", que se insere em um projeto de pesquisa maior com o tema "Avaliação Participativa Online e Offline, desenvolvido pelo Grupo de PesquisaInovAval, sob a liderança da Professora Dra. Denise Leite.

A pesquisa sobre Portfólios de Avaliação Online e Offline contextualiza-se no âmbito do Ensino Superior, no Curso de Pedagogia, na disciplina de Psicopedagogia II, em uma Instituição de Ensino Superior da Região Metropolitana de Porto Alegre, nos semestres 2004/02 e 2005/01. A proposta é que a avaliação da disciplina ocorra através de Portfólios Reflexivos (ALARCÃO e TAVARES, 1999) e, para tanto, define-se um processo avaliação participativa que se inicia com a discussão dos critérios ou indicadores de avaliação.

O portfólio reflexivo representa um importante instrumento de avaliação e auto-avaliação da aprendizagem podendo ser caracterizado como uma prática educacional e avaliativa de caráter emancipatório. (ALARCÃO e TAVARES, 1999; SÁ-CHAVES, 2000; 2005) Conceitos como pertinência, legitimidade, metacognição, autoregulação, regulação sistêmica e prática reflexiva remetem para a possibilidade de reflexão do processo por parte do professor formador, bem como do desenvolvimento da autonomia do aluno. Além disso, no contexto de formação profissional e pessoal, o portfólio reflexivo, na medida em que possibilita a análise da realidade e da prática pedagógica no confronto com a teoria permite que o aluno construa um sentido para a teoria, compreenda melhor a coerência de sua ação em relação ao paradigma que a delineia, reorganizando sua intervenção na realidade.

No contexto da pesquisa Portfólio Reflexivo Online e Offline explora-se como (ALARCÃO; TAVARES, 1999), a partir de um modelo anti-autoritário de ensino-aprendizagem com base na participação, a noção de portfólio como uma possibilidade de revelar e dar visibilidade aos processos de cada participante, através da avaliação e crítica pelos pares, explicitando as concepções, a prática, a auto-avaliação reflexiva e o progresso no percurso discente e docente. O registro de uma experiência de processo de avaliação participativa que envolve portfólios reflexivos online e offline no âmbito do ensino superior, traz a possibilidade de análise do dispositivo pedagógico (BERNSTEIN, 1996) e suas formas de controle simbólico, ao mesmo tempo em que possibilita a instalação de uma nova ordem e da transformação. A experiência em foco, desenvolvida no âmbito da formação de professores, desafia os alunos à construção de registros do percurso acadêmico e das aprendizagens realizadas em um determinado tempo, de forma reflexiva e através de um formato que represente seu processo de construção de conhecimento. Assim, o formato dado ao portfólio online ou offline, traduz a subjetividade, o processo metacognitivo e as possibilidades ou não de cada aluno de interagir com as novas tecnologias. Cabe ressaltar que, nessa experiência, os alunos podem optar pela construção individual ou em pequenos grupos de seus portfólios reflexivos e que, o processo de discussão e avaliação dos mesmos se dá de forma participativa, periodicamente, em sala de aula, durante o semestre letivo.

Para Shulman (In ALARCÂO; TAVARES, 1999) a atividade de ensino não tem partilhado das três principais características que identificam a investigação: natureza pública, a exposição à crítica e avaliação pelos pares, assim como a acessibilidade para futuras aplicações. A experiência analisada da utilização de portfólio reflexivo online e offline, para avaliação do processo ensino-aprendizagem, tem demonstrado que a utilização dessa modalidade de avaliação além de possibilitar o registro e a documentação da atividade de ensino nas suas dimensões conceituais, interativas, avaliativas e analítico-reflexivas, vem romper com a racionalidade técnica e de fragmentação do saber instituído na universidade. O que se observa, a partir dos relatos dos alunos sobre o processo vivenciado, é de que esse novo formato de avaliação, embora inicialmente traga insegurança não oferecendo um modelo padrão, contribui para a quebra do paradigma do isolamento de conceitos e da separação entre teoria e prática. Os relatos manifestam claramente que a metodologia participativa proposta pelos portfólios reflexivos online e offline, possibilita maior envolvimento e mobilização do aluno na busca de respostas para seus questionamentos, imprimindo maior significado teórico-prático ao saber construído. A ação docente, na prática analisada apresenta algumas formas concretas que buscam instituir a participação pedagógica e política dos alunos: a construção coletiva dos critérios de avaliação e a avaliação participativa dos portfólios. Essa prática aponta para uma tentativa de compartilhar poderes e saberes e de desenvolvimento da competência de autonomia e da participação democrática.

Nesse processo, a partir do levantamento preliminar dos dados, se observam dificuldades iniciais por parte dos alunos: o autorizar-se no processo criador do registro do seu processo, a exposição ao compartilhar a sua produção com o colega, o aceite à democratização do julgamento da produção pelos colegas para além do poder do professor, o estabelecimento de relações conceituais e entre teoria e prática. Contudo, os relatos ao final do semestre letivo e no andamento do segundo semestre de desenvolvimento da pesquisa, onde os alunos apreciam a experiência vivenciada indicam a superação dessa condição, quando referem que o portfólio reflexivo é um instrumento formativo que possibilita um processo de construção de autonomia, reflexivo, que exige pesquisa e dedicação e, ainda, que a interação entre professor e aluno no ensino acadêmico é decisiva para o êxito da integração e conclusão de um trabalho sistematizado e reflexivo.

Por outro lado, os portfólios reflexivos oferecem ao professor formador a possibilidade de avaliar seu próprio processo de ensino, podendo, da mesma forma, instituir uma prática pedagógica de natureza aberta, dinâmica, reflexiva e crítica, redirecionando seu planejamento, sempre que necessário. A adoção do portfólio reflexivo para o professor formador pode ser mais uma forma de inovação no espaço acadêmico, contribuindo para o processo de auto-avaliação docente.

Do ponto de vista conceitual a proposta de portfólios reflexivos identifica-se com os princípios da democracia e da inovação nos espaços educacionais, uma vez que investe na construção de um sujeito-profissional autônomo, comprometido com a mudança e com a realidade.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ALARCÃO, Isabel; TAVARES, José. Portfólio docente e qualidade de ensino. I Simposium Iberoamericano de didáctica universitaris. La calidad de la docência em la Universidade de Santiago de Compostela. Dezembro de 1999.

BERSTEIN, BASIL. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

SÁ-CHAVES, Idália. As narrativas nos portfolios: uma estratégia de desocultação para ajudar a pensar. In: Portfolios reflexivos: estratégia de formação e de supervisão. Aveiro: Universidade, 2000.

_________. (org.) Os "portfólios" reflexivos (também) trazem gente dentro: reflexões em torno do seu uso na humanização dos processos educativos. Portugal, Porto: Porto Editora, 2005.

  Mestre e doutora em Educação pela UFRGS, integrante do Grupo de Pesquisa InovAval/UFRGS, professora do Curso de Pedagogia e Coordenadora de Avaliação Institucional do Centro Universitário Metodista, do Ipa, Consultora de Pedagogia Universitária e professora e Coordenadora do Curso de Capacitação em Docência Universitária da Faculdade da Serra Gaúcha.


Copyright © Clarice Monteiro Escott - 2005.
Website desenvolvido por Gustavo Monteiro Escott